terça-feira, 9 de junho de 2009

Laranja podre? Consequências...

Um dia me disseram que uma laranja podre dentro de uma caixa de laranjas seria capaz de apodrecer todas as demais laranjas. Sinceramente, nunca acreditei nessa hipótese. Acho que estou mudando de opinião. Porém, tenho avançado nessa reflexão. Se uma laranja estragada é capaz de estragar as demais, uma mente “doente” é capaz de estragar e contaminar negativamente a sociedade. Estou lembrando agora do contexto e das pessoas envolvidas na segunda guerra mundial. O que dizer da ideologia e das atitudes de Hitler? Ele conseguiu contaminar sua época e deixou resquícios que se arrastam até os dias de hoje. Um professor que ainda não conseguiu se encontrar como ser humano, consegue fazer uma turma toda tomar distância do apaixonamento pela busca do saber. Um formador neurótico consegue mais deformar do que formar. Um líder religioso desequilibrado consegue fazer com que pessoas se afastem da comunidade e relativizem a relação com o Ser transcendente, cuja necessidade de relação é intrínseca ao ser humano. Que pena!
O que fazer então? Uma saída talvez seja não depender tanto de terceiros. Com isso, não quero incentivar o individualismo, longe de mim. Estou convencido também de que “ser humano não é uma ilha”, somos seres dependentes e decadentes. Quando digo não depender excessivamente de terceiros, penso na base da estrutura pessoal de cada ser. Mas especificamente na vontade do ser humano. Não na inteligência. Conversando com meu “irmão mais novo” (veja post anterior) ele me disse que está lendo um autor que aborda o investimento na vontade e não na inteligência do ser humano. O autor diz que “existem pessoas extremamentes inteligentes, mas que não sabem e não conseguem fazer bom uso da própria vontade.
Se não fazemos bom uso da nossa vontade e da nossa razão, podemos virar laranja. Laranja não pensa, também não tem vontade. E ainda mais quando estragada, acaba estragando as demais que estão próximas delas. Eu não quero ser laranja. Quero me aproximar cada vez mais do projeto pensado para o ser humano. Jesus Cristo é o modelo. E você? Se escolher ser laranja, ao menos não se permita apodrecer!

2 comentários:

  1. Luciana Gianesini9 de junho de 2009 17:55

    Uma vez eu li que as laranjas precisam de sol pra amadurecer e ficarem doces... e depois de colhidas, não devem ficar guardadas, mas sim consumidas logo, pra que se extraia o melhor de seu conteúdo. É legal pensar quem é o "Sol" que nos amadurece e adocica e, mais ainda, em que circunstâncias estamos nos deixando consumir...

    ResponderExcluir
  2. Laranja dá para fazer várias comparações: Laranja podre apodrece as demais, azeda nos dá arrepio, aguada nos dá uma sensação de vasio, mas temos a laranja doce que agrada a todos. Assim acontece em todas as comunidades: tem pessoas podres, azedas, aguadas e doces. Mas como Jesus nos ensina, precisamos saber a conviver com todas elas, com seus defeitos, com suas chatisses e com suas qualidades. Procurar ver nestas pessoas somente as qualidades antes de desprezá-las... Então vamos ser laranjas doces.

    ResponderExcluir